domingo, março 04, 2007

CHRISTIANNIA…OUTRA VEZ.




Os recentes distúrbios verificados em Copenhague e mostrados à saciedade em todos os canais de Televisão - nacionais e estrangeiros -,mostraram como é difícil num estado democrático ,dar soluções adequadas a perturbações criadas por grupos extremistas .Por uma juventude desinserida , desvalida e perturbada ,e com um aprofundado apreço pela violência urbana (a única coisa a que têm, acesso diário).

Estes acontecimentos , lembraram-me o meu interesse por apreciar a célebre CHRISTIANIA- a cidade maldita! - um «bunker hippie» autorizado a instalar-se numa enorme propriedade no centro de Copenhague, quando há cerca de quarenta anos, e apesar de avisado do risco que correria se lá penetrasse ,tê-la visitado em pormenor em companhia de amigo por mim desafiado para partilhar o risco, aquando numa das muitas visitas, então feitas à Dinamarca .
Tentei,assim , perceber se aquilo tinha algo que desse para entender.
Era uma «cidade sem Lei », em que uma grande comunidade , mais do que vivendo em total liberdade ,vivia em total libertinagem .Tudo o que lá dentro sucedesse –lia-se esse aviso logo à entrada – não merecia qualquer tipo de intervenção exterior .Quem entrasse, penetrava num mundo sórdido ,onde o mais chocante era a miséria humana ,a degradação de corpos abandonados , maltrapilhos parecendo apenas sobreviver, por sobreviver .Grupos completamente pedrados , life- shows por tudo quanto era lado ,salas de chuto ao dispor ,bares com música louca dos anos sessenta, onde grupos se embebedavam até cair no chão, sem que ninguém se apoquentasse com isso, ou, interviesse .
Era preciso passar o mais possível despercebido .
Foi o aviso que mais intensamente me foi feito .O que era difícil .E o que mais me custou ,foi ter de beber uma cerveja num emporcalhado bar ,onde, julgo, tudo era compartilhado sem qualquer tipo de higiene ,num ambiente nauseabundo onde a droga ,de todo o tipo circulava, abundantemente .Livremente em completa impunidade.

Essa noite ,depois de regressado á civilização –julgava eu !- teria ainda outros episódios que se agora me regressam à memória por causa destes distúrbios verificados bem perto daquele local - que eu supunha já teria desaparecido - faz –me pensar como naquele tempo a minha ansiedade por observar tudo ,era demasiada, tendo ,nessa e em outras ocasiões ,cometido autênticas loucuras . Mas tudo valeu a pena ,porque me deu com antecipação uma noção muito precisa do que era a sociedade de consumo - então a começar a se afirmar – o flagelo da saída prematura dos jovens da casa paterna , a falta de objectivos da geração que crescia sozinha sem uma estrutura mental equilibrada, e sem outras escolhas que não a alienação ou a fuga. Claro que a Suécia ia já muito à frente , percebendo-se já que o modelo social estava errado ,o que a fez voltar atrás e reformular conceitos, mais tarde. Hoje, há uma clara recuperação desta sociedade que depois de bater no fundo , parece reencontrada

Foram essas loucas experiências que vivi ,que me encheram a vida de coisas boas e outras tantas más ,cujos ensinamento me foram fundamentais .Uns e outros .Vi a vida de todos os modos e de todas as maneiras .

Sempre, no muito que viajei ,dei especial primazia a conhecer muito mais a realidade da sociedade ,as gentes , do que apreciar o que vinha nas fotografias .

Poderia a Europa ser um dia unida ? Interessava-me perceber por mim … .

Unida para o bem e para o mal , porque ainda agora se verificou a intromissão de desordeiros vindos de muitos lados ,tal a facilidade de movimentos de pessoas ,hoje possível .

Lembro-me de quando aqui cheguei ninguém ter parecido acreditar que uma Chistiannia – uma sociedade sem opressão de todo e qualquer tipo ,o lugar mais livre de todo o mundo –dizia-se !- existia de facto.

Existia ! Mas porquê e para quê?! --foi a conclusão a que cheguei

Aladino
.

1 Comments:

Blogger JoãoAfonso said...

Essa é uma das faces da "moeda", de facto sem estrutura de valores.
A outra face, a sociedade propriamente dita, com todas as suas contradições, algumas delas bem graves ao ponto de extorquirem os direitos sociais.Por isso, qual filho rebelde que com as suas atitudes de revolta, não faz mais do que o inexperiente bébé...uma birra para que lhe dêem atenção.

2 de agosto de 2009 às 19:02

 

Enviar um comentário

<< Home