quinta-feira, outubro 05, 2006



CORRER ATRÀS DA VIDA…

Cumprimentei-o , e foi então que me disse : Oh!.. engenheiro ,você anda sempre a correr …homem..Páre!

- Sabe – respondi –é que a vida nunca esperou por mim .Correu sempre adiante ,puxando-me ;e como não gosto de chegar atrasado ,lá vou perseguindo «a magana». Mas olhe que não deverá estar para tarde ,apanhá-la …e então ,é tempo para o descanso .
-Oh oh.. deixe lá Você ainda está aí para as curvas – atirou-me piedoso .

- Nem me fale …em curvas …só se forem sem relevè -, respondi, a sorrir.


A vida ! Vejo hoje com muita nitidez o que a minha mãe me dizia : que «ela» é um distanciamento progressivo de tudo e das coisas, mesmo das que amamos. Olho á minha volta e já começo a sentir-me num deserto. E lá vou carregando o fardo, sem já ter amigos que , como no passado ,me ajudem a carregá-lo .E continuo a ouvir a acusação de que sou distante. Pudera …Se até de mim já me começo a afastar.

E o certo é que, ao contrário …bem ao contrário( eu), sempre quis ser e estar perto. Mas tinha missões a cumprir …e princípios éticos -até onde não parecia !...-, muito rígidos e precisos, que me tornaram um ser difícil .Paciência …
Raios partam a vida!... , apetece-me por vezes desabafar ,ao ver a« garraiada» que anda por aí à solta, sem cabresto .
Mas logo regresso : as «vidas não são piores nem melhores» .São a «vida» …e, c’est tout..
E lá continuo …que «ela» vai ligeira como galga tola.
Não há geração sem santo nem ladrão .E desses – asseguro – nunca vesti a fatiota.



ALADINO