segunda-feira, fevereiro 14, 2005

AINDA O TSUNAMI


TURISMO MACABRO…



Numa recente deambulação pelo país vizinho fomos chocados com uma fotografia publicada num jornal diário daquele País, onde se mostravam – ou melhor se exibiam !- turistas de calções e biquini , que refastelados em espreguiçadeiras ,ao sol, junto ao mar, assistiam morbidamente indiferentes , ao espectáculo de recolha dos muitos cadáveres por ali, ainda existentes, numa das Praias atingidas pelo TSUNAMI..
A fotografia era titulada como TURISMO LOUCO .Nela pareciam mentes mórbidas mais apressados em voltar a gozar as delicias do Sol daqueles paraísos que numa hora foram infernos ,do que procurar deixar enterrar em paz, os milhares de infelizes que ali perderam a vida .Como se esses pouco contassem, e o que contasse fosse, apenas e só, o gozo da natureza de novo (já) amansada.

A catástrofe monstruosa do passado dia 26 de Dezembro quedou-se na demonstração evidente de que os mais desprotegidos –aqueles que nem sequer tinham hotéis para onde fugir - foram os que pagaram a factura mais pesada ,perante a indiferença dos Deuses, que deveriam estar loucos, possessos!!!. Estes, a existirem –será que existem?!- foram pois , duplamente injustos : primeiro porque lançaram a sua ira indiscriminadamente sobre todos; segundo porque , muito embora “sabendo” que quem iria pagar a factura em mais elevado grau ,eram os de menores recursos, os mais débeis, nada fizeram para lhes minorar o castigo (pois logo se levantou a costumada aleivosia da ira dos deuses …). A «dita Providência divina» estava de folga ,é o que parece concluir-se… .
Os mais atingidos foram assim aqueles para quem a vida foi, desde a primeira hora , um pesado fardo a transportar . No limiar de se saber se, nessas condições sub-humanas , a vida faz qualquer sentido
Desencamisados que teriam- e têm ! - o direito -e o dever!- de se indignarem contra a sociedade da opulência que os envolve e os explora. Que os explora de todos os modos e agora, como se via na imagem ,até o explora quando parece divertir-se com o espectáculo do seu sofrimento.
Estes esquecidos dos « DEUSES» -de todos os deuses -têm pois o direito de se revoltarem contra o “culpado” da sua existência que não cuidou de lhes dar condições mínimas de dignidade ao trazê-los ao mundo.
A ser verdade que tudo é desígnio de um Deus , deveriam estes esquecidos revoltarem-se contra tanta e tão notória, como indecorosa , falta de solidariedade divina.
A vida uma vez mais, foi - Lhes tremendamente injusta.
Ora nenhum DEUS – a haver Deus! -subscreveria tal injustiça…
Porque seria, então, um Deus abominável…ausente ,insensível …
Logo um não DEUS .
Volto pois ao que anteriormente já referi : estas tragédias são claramente sinais que nos podem levar -a mim sem duvida me levam -, a crer na inexistência divina tal como por tradição histórica ,por vezes , no- la querem fazer passar.

Em volta deste desastre sucederam-se as mais repelentes demonstrações dos buracos negros da condição humana: máfias de prostituição infantil que ao serviço dos ditos povos mais adiantados logo aproveitaram para tão nojenta como criminosa actividade , o caos e o desamparo gerados ; organizações falsas ,nos ditos países adiantados ,quais aves de rapina , apelaram ao sentimento e logo sonegaram para os seus viciosos bolsos as dádivas dos bem intencionados, etc etc…

Mas o que nunca pensei é que a baixeza humana chegasse a tamanha degradação de ir “in locco”,de um modo descaradamente demente , degradante ,voltar aos roteiros de férias para melhor apreciar o quadro macabro da recolha de cadáveres.
Que loucura…que tragédia este exibicionismo macabro…Que demência …Se houvesse TSUNAMIS selectivos estava ali um álbum merecidamente escolhido…….

Estamos perante uma Sociedade que dá mostras da mais perversa insensibilidade perante o sofrimento do semelhante.

Parece que as nossa virtudes –vulnerabilidade ao sofrimento alheio -se está a transformar na mais abjecta e pérfida, insensibilidade animalesca.

Ou será que afinal os” DEUSES” são falsos , não á nossa imagem e semelhança, mas sim nós -mortais- é que somos á sua imagem e semelhança, por isso tão esquecidos dos que sofrem ?

ALADINO