segunda-feira, novembro 22, 2004

PIÚ PIÚ ...OLHA O PASSARINHO...


Ó PATETA TIRA A BOINA....






Facto a observar e que tive o cuidado de referenciar no blog “Convite á ...porrada” do dia 15 de Novembro , era o saber-se como se comportaria a Comunicação Social, local e regional ,perante o arrebanhar dos funcionários camarários que, à força, foram convidados para a fotografia de família : Eles e o BOSS.
Total espirito de comunhão, era que se pretendia passar para o exterior : amigos e companheiros prontos para outras lutas ,irmanados no alto espirito de “um chefe ;uma terra; uma missão” : esta era a mensagem do encenador ,quando é facto sabido que o ambiente na C M.I. é de cortar “à navalha”.


Ora é de louvar o comportamento dos Orgãos de Comunicação Social que, clara e inequivocamente deram de barato o acontecimento e ,assim, pouco ou nada o referenciaram ; e quando o fizeram foi claramente para enviar a mensagem à “alimária política “ em prosa inteligente onde é patente a chocarrice , o gozo, a censura implícita e acima de tudo, o desprezo .

“O Ilhavense “ limita-se a fazer subentender nas entrelinhas quanto de repugnante teve o vómito populista (claramente fascista) da convocatória salientando o “justificatório” do desaustinado bacoco e ailila político, que deste modo indecoroso , repugnante e torpe , trata os funcionários .Que não são propriedade sua como pensa ,mas, de um modo geral , honrados funcionários públicos – eu sei ...eu sei ...o que estão a pensar ,não sou ingénuo...,mas a grande maioria é – o -,funcionários que não têm de servir, de estar ou não estar com este ou com aquele Presidente mas, outrossim, exercer com dignidade , com zelo , com competência , independência e lhaneza a sua profissão para bem servir o cidadão que lhes paga .Cidadão que perante o balcão publico não tem cor de identificação que outra não seja, a do direitos que lhe confere a cidadania.

N’ O ILHAVENSE aparece aliàs o comunicado do P.S. Frouxo ,sem vida, quase a querer , apenas e só, assinalar o facto , comparando este acto com idênticos passados nos anos sessenta , sem daí extrair o que de mais grave ele tem a nosso ver : - em sessenta tínhamos o sistema e pronto .Sabíamo-lo –não os actuais dirigentes do PS local , claro - e contra ele lutava-se de todos e quaisquer modos ,pois todos eles eram lícitos e justificados perante a liberdade que nos era sonegada. E por isso foi lícito- e imperioso- fazer uma Revolução .
Agora é mais grave ,volto a dize-lo ; o sistema é subvertido ,embrulhado em papel da democracia , justificado na Lei do VOTO , parecendo querer assumir que todos os actos lícitos ou ilícitos ,têm no VOTO a sua justeza, mesmo quando ofensivos ,indignos ou até mafiosos .Querem com isso os mentecaptos que emolduram em dado momento o sistema , dizer que o VOTO que lhes foi conferido é lato e abrangente , conferente de direitos absolutos. Ora isto é uma perfeita corrupção intelectual .O VOTO não confere nada para além da obrigação por parte dos escolhidos, num exacto e único momento , de dirigirem em rigorosa consonância com o que prometeram ,e sempre, mas sempre ,balizados pelo respeito rigoroso ,integral e permanente, das regras democráticas . No topo das quais está a Lei .E com esta os direitos e garantias que a Constituição confere a cada um dos indígenas .
Ora a obrigação DECRETADA pelo aitão cá do sitio mexe ,colide e ofende, com os direitos dos convocados , quer enquanto funcionários quer enquanto cidadãos :Os funcionários não foram convocados para em outro local prestarem excepcionalmente a sua tarefa ,o que em tese poderia ser . Não ...; eles foram por decreto convocados para um acto teatral de pose fotográfica ,cuja tipologia se encaixa no cardápio da propaganda neo-fascista : para participarem n’O DESAGRAVO prestado ao DUCE, para o ESCOFENAR das “injustiças” recentemente vindas a lume. .

O Diário Regional vai ainda mais longe : na edição de dia 20 p.p , numa fotografia dos perangários com os cães a ladeá-los - não vá alguma “ovelha” tresmalhar-se- , aparece em primeiro plano uma cara patética , paranóica ,com um esgar assombrado a olhar , não sei se p'ró passarinho ou p'rá a passarinha.

De patético todos temos um pouco ,é certo .Só que uns abusam .E este pateta então abusa que se farta...



ALADINO