quinta-feira, novembro 18, 2004

O PIOR È ACORDAR....

No lo creio em Milagres ...mas lá que... os hay...hay



Nesta relação intima entre o outro eu e o Aladino ,surgiu uma discussão em torno do cada vez para mim mais difícil incomodo ,de não ter sido contemplado com essa “dádiva “que dizem ser , a fé .Para já e ao contrário do que é habitual , cada vez mais, à medida que a vida foi vivida –e bem reconheço-o - fui solidificando ideias ,consolidando conceitos , justificando duvidas - e ou aumentando-as – a ponto de, cada vez mais, estar convencido que o carreiro (não o caminho ,não vou a tanto ) era por aí.

Chegados a um impasse ,durante a discussão ,eis que ALADINO me atirou

- Então não acreditas em milagres ?... é isso ...

- Claro retorqui...e olha ; mesmo que os visse com estes dois olhos ,mesmo assim, duvidaria, e deixaria para amanhã a explicação do mesmo...Há sempre -se não for hoje, será amanhã ...-uma explicação para o inexplicável Supõe –diz-me o Aladino -que eu esfregava ...esfregava a lâmpada ...e dela sairia um Milagre, aqui, na TERRA DA LAMPADA .Tu acreditavas...se tal sucedesse?!...

- Aqui na Terra da Lâmpada ?! ...milagres ...só se for o avião do “Zé Cadengo” aterrar no largo do Bispo....digo-te .

- Então vamos lá ...liga-me ai o auto-cad...sugere Aladino.

Liguei , e Aladino desaustinadamente começa a esfregar ... e volta a esfregar ...a sua lâmpada : O brilho da lâmpada cá da terra , suja e porca como sabeis , mudou então para um dourado refulgente ,brilhante de mil sóis ...; vagamente começaram a aparecer uns rabiscos no visor do computador que ,momento a momento, foram concretizando um notável esboço ,que de imediato me sugeriu, tratar-se de um equipamento urbano de notável qualidade .Posso rapidamente descrevê-lo ...

Junto á Ria ,numa zona não muito afastada do antigo Barreiro ,erguia-se um conjunto de quatro blocos prismáticos sóbrios, elegantes ,equilibrados, todos iguais de três pisos cada um , sendo o ultimo uma galeria aberta onde apenas se vislumbravam elegantes pilares emergindo para suportar um fino e ondulado tecto, recriando um mar espraiado ,longo , ternamente acolhedor..

Os “prismas”,em cada canto , eram interligados por uma “linha” de várias de réguas ,tipo persiana, encastrada nos mesmo , ligeiramente recuada relativamente às suas faces, o que lhe conferia um recorte volumétrico gracioso, leve, harmonioso ; o revestimento era feito por um tipo de pedra vinda ali de perto ,de Eirol, no seu tom férreo velho ,contrabalançado por uma pedra de Ançã nos interiores das varandas ao nível do segundo piso.

Estas torres prismáticas eram circundadas por um “espelho” de água viva em rego entalhado, onde a mesma se movimentava para cá e para lá, em ondas sucessivas ,muito ténues, num continuo vai-e-vem.. ; canal de uns quatro metros de “ancho” para aí.

O piso circundante deste era um misto de madeira tipo convés de navio interrompida por passagens de empedrado , onde verdes muito vivos transmitiam uma frescura ao local ,fundindo-se com a o azul marinho da laguna ali perto. Toda a envolvente estava superiormente albardada por estético mobiliário urbano..

O que me chamou desde logo a atenção foi a área interior, um espaçoso rectângulo de, creio, oitenta por cem metros, onde se implantavam mastros atrevidos de Varino primitivo ,fortemente inclinados ,uns mais baixos, outros galgando mais o céu ,parecendo em amuras diferenciadas.. Mareados , envergava-se neles uma alva vela de tela que recriava a visão de um mar genial ,profundo, extenso , em perspectiva ousada e dinâmica .

Seguidamente como que num passe de magia ,eis que se projecta numa janela do monitor uma sequência ilustrativa de utilização de uma parte daquele espaço: como em jogo de vídeo via-se projectada uma partida de ténis a que não faltava emoldurada plateia atenta ,interessada ,participativa , esfusiante .
De imediato ,como se uma tecla comandasse o software, eis que o espaço do court de ténis vira um recinto para Basquetebol ,agora mais pejado, mais movimentado. O piso do recinto tinha mudado instantaneamente de verde alface para um doce e macio carvalho .E enquanto boquiaberto, emudecido, me espanto com “o espanto”, eis que nova janela me dá conta do sistema notável em que pouso siderado a atenção ,para o mecanismo inteligente que abre ,escamoteia , substitui e renova, o recinto .


Não tinha terminado ainda o suave milagre ; como se uma esponja apagasse todo o visor ,eis que desaparece aquela imagem para dar lugar ao espectáculo que sugere o fim ultimo - uma Feira Mostra de Actividades - na qual , entre expositores bem concebidos , repletos de novas tecnologias para o efeito de demonstração das
( virtualidades ) do “potencial “ exposto , assisto, mudo e quedo , a uma EXPOSIÇÃO TEMÁTICA sobre MAR E ACTIVIDADES .Era um afã ; gente em “corropio” que interessada vinha ,entrava ,inquiria e circulava .
Para onde ? atentei .- para junto do Canal onde uma exposição flutuante mostrava ,em “su sitio” ,diversos tipos de embarcações de lazer. Uma exposição náutica....”a flot”

Olhava-se , entrava-se ,mirava-se – e desembarcava-se ...

--------------------------------------------------------------------------------

Fez-se silêncio : creio que me corriam gotas de suor tal a inquietude do momento, onde já não me dava conta se era real , se irreal...o momento de inquietude.

Então pergunta-me o ALADINO : era disto que a Terra da Lâmpada precisava ,não achas ?! ..ideias ,vontade ,visão ,arrojo...
Vocês que andam a discutir o sexo dos anjos ,porque não pensam positivo .Imaginas o que de bom viria para esta terra se há muito se projectasse com arrojo, com planificação integrada , um Centro de Exposições polivalente – profundamente polivalente- ,dinâmico ,para utilização vária e dispersa ,mas que, no fundamental, servisse para mostrar as valências e as potencialidades ,Industriais (MAR ;PESCAS ,PORTUÀRIAS) Turísticas (artesanato ,gastronomia, cultura .lazer ), ou Desportivas (grandes competições ,concertos ,projecções ) da Região?
Avaliarás a verdadeira revolução que um instrumento deste potenciaria para esta terra hoje morta ,descrente ,e amorfa?

Era este o Milagre que querias?...atirou-me Aladino

- Claro ...claro... era isso que tantas vezes me acudiu, respondi ...mas o milagre não está ao alcance de pecadores como eu ,sabes?

- Mas está ao alcance de sonhadores ; retorquiu Aladino...

Mostrei-te o milagre mas não te fiz o milagre : Sabes o que quero dizer : os milagres são para quem acredita : a realidade é para quem os concretiza ...termina

-------------------------------------------------------------------------------------

De repente sou sacudido ,despertado pelo som do rádio que na mesinha de cabeceira me dava os bons dias. A Rádio Terra Nova punha no ar de imediato e como sempre , o “ arengador impenitente ” ,do costume :

ILHAVENSES:

....Vai ser hoje inaugurado o mijadouro do Largo do Bispo , grandiosa obra que virá revolucionar a nova era de desenvolvimento que nasceu comigo
ONDE MIJA UM ILHAVO ...MIJAM LOGO DOIS OU TRÊS...por isso estes mijadouros são os maiores e melhores da Europa...quiçá –porque não ...eu penso de que ,de todo o mundo.
Em boa verdade vos digo....


"BIBA" EU !!!


EU E ALADINO