segunda-feira, novembro 29, 2004

O HOMEM QUE NUNCA SE ENGANA -DISSE

INCOMPETENTES :RUA...JÁ !!!...




Cavaco Silva - que nunca se engana e raramente tem dúvidas!!...- disse finalmente alto e bom som, algo que não pode ser escondido por mais tempo: há que fazer uma limpeza geral aos ocupantes dos cargos políticos e dar um valente biqueiro nos traseiros dos ditos incompetentes que saltaram lestos para a albarda do País, se alaparam nos seus costados, e o estão a levar por caminhos tortuosos à ruína.

Ora o que Cavaco disse com a importância que lhe sobra do seu passado - discutível e discutido - mas de quem retemos uma imagem da competência intocável, goste-se ou não se goste do estilo, é mote que nós também - salvaguardadas as distâncias da validade - temos vindo a denunciar. Já o fazemos de há muito...
Foi essa, aliás, a razão do aparecimento do Blog a Terra da Lampada; nós não quisemos no nosso canto ser cúmplices da indiferença reinante. E, por isso, dum modo permanente, sibilino, talvez cáustico, directo e sarcástico, aqui temos vindo a denunciar, os bastardos, as alimárias, os corifeus (incompetentes) da política cá deste pardieiro, a que pomposamente chamam Cidade. Denunciamos em permanência o trauto da política tal como ela se vem fazendo entre nós; um reles e serôdio exercício de incompetência e de descabelada demagogia.

A nível do poder central, como a nível local, na administração, nos organismos de capitais públicos ou semi-públicos que irrompem por esse país como cogumelos selvagens enquanto houver necessidades de fartar a clientela partidária, a incompetência ganha alforria de sistema ; chafurda-se como cão esfomeado na procura de tachos onde lamber o resto dos restos, que sejam, exaure assim os cofres públicos; mais depressa se sentam para escolher o Mercedes ou BMW, do que coram ao olhar como papalvos os dossiers, como o cego para partitura. Eles só tocam - e mal - de ouvido.
Carregados de pesporrência, eivados de petulância, procuram a pose na cadeira: - assim, de frente, oh! , como se julgam imensos! E de lado..., de lado... maiores que muito, santo Deus. E de costas? De costas ?! ahh!! -enormes.
Francamente meninos políticos, vós julgais ser grandes educadores do Povo. Mas olhai que Sancho Pança era maior!

Mas como medrou esta pérfida camarilha? Cavaco sabe-o tão bem como eu; melhor claro.
Da partidocracia, claro - já o denunciei dezenas de vezes .
Só quem conhece o amorfismo, a debilidade intelectual, a anemia ideológica reinante nas sombrias catacumbas partidárias, é que sabe como são feitas as escolhas, seja para os pequenos cargos de regedor, seja para a distribuição de médios e/ou altos tachos e até caldeiros; é assim “ patata a mim, patata a ti” tomando por referencial de escolha a capacidade de quem escolhe; e esta, salvo raras excepções, é pobre, inconsciente e inconsistente. Ignorante .

E atestam pressurosos :
ATESTADO PARA EFEITO DE "TACHO"


Sr Secretário Geral ,Sr Presidente :

Atestamos que Fulano...... , doutor de muitos conheceres, não sabendo ler e/ou escrever - o que julgamos discipiendo - , é senhorio de muitas e louvadas competências e saberes da arte de bem governar toda a sela, pelo que, por aquilo que foi dito e pelo não dito, mas ímplicito no cartão de filiado no nosso glorioso Partido, onde tem o número 0000 XPTO , sempre se mostrou diligente e primeiro no carrego de escadas, pinchéis e outros, pelo que é por nós considerado apto para o desempenho do alto cargo de .... (para V Exª preencher, deixamos ao imenso critério e sabedoria de V. Ex.Mª )
Assinatura : (impressão digital)

Claro que daí resulta o que está à vista: mudam os partidos mudam-se as alimárias e os corifeus; muda a cor, e logo inefáveis e ignorantes coladores de cartazes são guindados a louvados gestores que reclamam sofregamente o seu Mercedes: num ápice, como por magia, de um guardador de cabras faz-se, de um dia para o outro, um iluminado gestor de Portos; em horas, transforma-se um desconhecido engenhocas de urtigas num iluminado “condottieri” que exorda por tudo quanto é vomito, confabulações delirantes .

Numa democracia que hoje se aproxima dum sistema liberal o Estado deixa ao cidadão uma série de iniciativas onde estes devem intervir. Por isso conta com uma Sociedade forte. Onde os capazes se mostrem e se definam. É desses ou dos que pela atitude profissional se vão da lei da nulidade ressalvando, que deveriam ser escolhidos os válidos. Se a sociedade é fraca, se a administração a tem que substituir, começamos a cair na anarquia. O êxito da democracia depende do vigor da sociedade civil. A “partidarite” relega, afasta, inibe a Sociedade civil de se exprimir em toda a sua capacidade. Os incompetentes que assumem o poder dificultam, aferroam, castigam essa Sociedade civil para que ela se dilua (ou até desapareça) e não clame a sua (deles) incompetência.

Ilhavo é um case study deste fenómeno .


ALADINO